IFTM promove gastronomia Macaense

O Restaurante Educacional do IFTM ofereceu de 12 a 16 de Março uma seleção especial de pratos Macaenses através do menu elaborado e preparado pela Chef Florita Alves.

 

O Restaurante Educacional do IFTM ofereceu de 12 a 16 de Março uma seleção especial de pratos Macaenses através do menu elaborado e preparado pela Chef Florita Alves. Os convidados tiveram a oportunidade de saborear autênticas especialidades macaenses desde a “casquinha de caranguejo” (caranguejo assado com casca) ao “minchi” (carne de porco e vaca picada salteada) e “bolo menino” (nutcake). A promoção foi realizada em parceria com a Confraria da Gastronomia Macaense - entidade que visa a promoção da gastronomia macaense. O termo “Macaense” refere-se à população eurasiana da cidade; aqueles com laços ancestrais com Portugal, China Continental e / ou com antigos postos coloniais de Portugal, como Goa e Malaca. Os Macaenses têm uma identidade social e cultural distinta, uma cozinha e uma língua crioula denominada Patuá. Ao longo dos séculos, a cozinha da macaense combinou os sabores do sul da China e de Portugal com novos ingredientes exóticos trazidos pelos marinheiros portugueses. O resultado é uma mistura de influências da Europa, América Latina, África, Índia, Sudeste Asiático e China. Em 2012, a cozinha Macaense foi incluída na lista oficial do património cultural imaterial da cidade; Em Novembro passado, Macau tornou-se membro da Rede de Cidades Criativas da UNESCO na área da gastronomia, com a comida Macaense - muitas vezes apelidada de “a primeira gastronomia de fusão do mundo” - a desempenhar um papel na decisão da UNESCO. O Governo tem repetidamente sublinhado a importância da cozinha macaense na cultura gastronómica única da cidade e no desenvolvimento de uma indústria do turismo sustentável, uma vez que Macau se esforça para se transformar num centro mundial de turismo e lazer. A promoção da comida macaense no Restaurante Educacional IFTM é parte dos esforços do IFTM para ajudar a aumentar a consciência do consumidor e da indústria para esta gastronomia. O Instituto tem cumprido esse objectivo, oferecendo também cursos de formação em cozinha Macaense e realizando demonstrações culinárias. O IFTM e a Confraria da Gastronomia Macaense assinaram em 2010 um acordo de cooperação para a promoção da gastronomia Macaense. Em 5 de Março, as duas partes co-organizaram uma demonstração de culinária no campus do IFTM Mong-Hà. A atividade foi comandada pela Chef Florita Alves e contou com a presença de 28 profissionais do setor alimentar e de bebidas. A Chef Florita Alves, natural de Macau, já se deslocou a vários países para promover a gastronomia Macaense. Durante o evento IFTM, ela demonstrou várias técnicas culinárias utilizadas na cozinha Macaense e ensinou os participantes a cozinhar alguns pratos Macaenses. “Temos de fazer mais e nos esforçar mais para dar uma nova vida à gastronomia Macaense”, diz a Chef Florita Alves. “Não queremos que esta cozinha se torne algo descrito no passado.” O chef local já conduziu demonstrações de culinária para alunos do IFTM. Segundo ela, muitos estudantes - nomeadamente estudantes de intercâmbio de países europeus - demonstram grande interesse pela origem e pelas receitas da cozinha Macaense. Para o responsável da Confraria da Gastronomia Macaense, Luís Machado, é fundamental divulgar a gastronomia Macaense a um público mais vasto, agora que Macau faz parte da Rede de Cidades Criativas da UNESCO. Luís Machado elogia o IFTM pelos seus esforços para garantir que os futuros chefs saibam mais sobre a autêntica gastronomia Macaense, para que possam se tornar seus embaixadores após a graduação e ao entrarem na indústria hoteleira. “Vejo que há uma nova geração em Macau muito interessada no Patuá e também na comida Macaense”, afirma. O IFTM incluiu a cozinha Macaense no currículo dos seus programas de licenciatura, de forma a permitir aos alunos conhecer as origens, preparação e características desta gastronomia. Além disso, o Instituto prevê a criação de um centro gastronómico, que irá incorporar a investigação e formação sobre a cozinha Macaense.